CLAUDINEI NUNES

Nasci no dia 09 de outubro de 1942, na cidade de Sorocaba. Filho de pais operários da antiga fábrica de tecido: Santa Maria.

 

A minha formação de professor, deu-se em 1965 pela escola Dr. Getúlio Vargas. Fui substituto no Grupo escolar Francisco Eufrásio Monteiro, Barcelona, Sorocaba. Depois fui para Apiaí, lecionando no Bairro Butiá. Ali fiquei apenas um ano. Isso foi em1967. Em 68 vim para Ibiúna e ali permaneci até 1981. Trabalhei quinze anos no magistério. Eu sempre amei a minha profissão, mas a minha vista foi se enfraquecendo, até que acabei sendo aposentado por invalidez. 

Um novo episódio abriu-se em minha vida. Estava em casa praticamente entregue a uma vida insípida, quando por acaso ouvi uma entrevista de uma pessoa cega na antiga rádio Clube, hoje, Rádio Boas Novas. O deficiente falou que qualquer um poderia aprender o Braille. No dia seguinte à tarde lá estava eu a conversar com o Loniel, na ocasião, Diretor da Biblioteca Braile.

 

Aprendi o Braille rapidamente com a professora Lígia. Na biblioteca Braille eu fui orientado para ir até a ASAC, a fim de receber ajuda desta Instituição. Na ASAC fui atendido pela Psicóloga, Terapeuta Ocupacional e Técnica de Orientação e Mobilidade. 

 

Após alguns tempos, a professora Inês sugeriu que eu poderia ajuda-la no Braille, atendendo alunos também. Falei com o Sr. Ari, presidente na ocasião, e esse me admitiu como auxiliar da professora Inês.

Mais tarde aprendi o Braile grau dois e o Soroban. HÁ QUASE VINTE ANOS REALIZO TRABALHO VOLUNTÁRIO NA ASAC. Foi para mim uma experiência maravilhosa, pois voltava a fazer aquilo que mais gostava, ou seja, lecionar. Notei que as pessoas cegas poderiam ter uma vida quase igual aos que enxergam. Encontrei, nesses anos que aqui estou, vários deficientes muito inteligentes. São muitos os exemplos, mas quero citar dois que admiro muito, são eles: o Fabiano e o Nilson. Mas para a minha satisfação outros estão surgindo, por exemplo, Edwilson e o garoto Geazi.

 

Estou conseguindo mais resultados positivos do que negativos. Dificilmente o aluno fracassa, quando vem bem motivado.